humanize

Uma organização não-governamental que oferece terapias complementares a pacientes com câncer, o Instituto IBRAPPER tem o objetivo de proporcionar atendimento humanizado e qualidade de vida para essas pessoas e suas famílias. Oferecendo tratamentos como reflexoterapia, quiropraxia, psicanálise e procedimentos estéticos, o Instituto acredita que bem-estar e equilíbrio também são parte do processo de cura.

O Instituto IBRAPPER oferece terapias complementares como a reflexologia
O Instituto IBRAPPER oferece terapias complementares como a reflexologia

– Quais são as atividades e o foco de trabalho do Instituto IBRAPPER?

O Instituto Brasileiro de Apoio e Pesquisas a Pacientes Oncológicos em Reflexologias foi fundado em 2000 na cidade de Itapema, em Santa Catarina, tendo como objetivo principal oferecer aos pacientes oncológicos uma qualidade de vida melhor com o uso das terapias complementares, proporcionando equílibrio tanto físico como emocional. Hoje o Instituto atua em Sorocaba, SP.

No intuito de estruturarmos nossos atendimentos de forma mais adequada, estabelecermos parcerias, mobilizarmos recursos e aumentar o número de atendimentos, resolvemos institucionalizar o Ibrapper, que passou a ter personalidade jurídica como uma associação sem fins lucrativos a partir de maio deste ano.

Nossa missão é impactar positivamente a rotina das pessoas, apoiando emocionalmente e proporcionando através dos tratamentos a melhora do estado patológico e da qualidade de vida!

– Um dos projetos do instituto aborda as terapias complementares a pacientes oncológicos e ostomizados. Como funciona este tipo de tratamento e de que forma ele traz benefícios às pessoas com câncer?

As terapias complementares ajudam o paciente oncológico, ostomizado (que passaram por cirurgia para criar saídas artificiais para alguns órgãos) e sua família a viver melhor, através do atendimento com terapias complementares e acolhimento social. Elas também diminuem os efeitos colaterais causados pelos tratamentos como quimioterapia e radioterapia através de diversas técnicas, melhorando a qualidade de vida e o equilíbrio que o paciente com câncer tem antes durante e após o tratamento oncológico.

– Qual foi a maior realização do Instituto IBRAPPER nesses últimos anos?

Uma das realizações de grande importância do instituto é a ressignificação do indivíduo como um ser integral e social, porque durante o processo de adoecimento tanto o paciente como a família ficam muito fragilizados não apenas em sua condição física mas também emocional. Com um trabalho personalizado e com a elaboração de programas terapêuticos individuais ou em grupo, de acordo com as necessidades de cada um, o instituto tem proporcionado um tratamento especializado e respeitoso ao paciente oncológico. Nosso diferencial está no acolhimento destes indivíduos e sua família, que quando chegam até nós não são apenas mais um paciente oncológico a ser tratado mas sim um ser humano fragilizado que necessita de atenção diferenciada, e para isso oferecemos um atendimento humanizado com técnicas paliativas, visando restaurar ou melhorar a qualidade de vida dos assistidos.

– O Instituto IBRAPPER tem um projeto que deseja implementar em breve?

Como nossa visão é ser referência em atendimento paliativo, apoio e informação de qualidade a pacientes oncológicos e suas famílias. Para isso estamos estruturando o projeto com palestras de conscientização sobre prevenção do câncer com uma abordagem diferenciada, encontros terapêuticos para proporcionar o resgate do equilíbrio emocional e aumento da autoestima. Estamos realizando também oficinas para capacitação e divulgação das terapias nas instituições dos bairros para motivar a população a participar e promoção de um encontro semanal, durante tempo indeterminado, para a atendimento com as terapias.

– O que você pensa da Horyou e da comunidade na qual você é um membro ativo?

Horyou é uma rede social que nos motiva a ver o mundo de um formato diferente, criando nas pessoas o desejo de colaborar para que tenhamos um mundo sustentável. Acreditamos que toda comunidade é um grupo de apoio para nos incentivar a desenvolvermos vários projetos.

Entrevista de Edriana Oliveira Major

florian-wieser-therelevent_inarticle

Florian Wieser is the founder of the The Relevent Collective AG based in Zurich, Switzerland and Dornbirn, Austria and an expert on perspectives of innovative communication and customer relation topics. At the The Relevent Collective, “We take initiative with the most valuable customers or employees of our clients. We find the right mission, matching contents and stories for the best people or corporations to interact with.” — by ToniMarie Illuzzi

What is the purpose of your company?

The Relevent encourages companies to rethink their communication and organization in a humanized way. We focus on the relationship between companies and their customers or employees.

What inspired you to start the company?

I wanted to start a company from scratch with positive vibes based on corporate DNA among play, atmosphere and excellence while specializing in the most important field for future differentiation for companies. It is a holistic approach to the user experience.

Has it always been a dream for you to work in this field?

Yes, it has been a dream since the beginning of my studies in digital communities 15 years ago. I did a lot of projects in the last years with a community approach in advertising and promotion. Then the search for purpose hit me, so I decided to specialize in humanized communication and initiatives.

therelevant_2_inarticle

What has been your biggest challenge?

To encourage companies to humanize their communication, corporate relationships and organization.

What was the first action that went into the company?

First and foremost, re-thinking our own organization.

The key question is: What are the settings, values and tools used to build a self-learning ecosystem? All of this can be accomplished through a purpose driven company that delivers innovative concepts, encourages consultancy based on experience and by having happy employees and customers.

What kind of social impact has this company had?

The Relevent creates social impact through a purpose driven approach. We practice a very integrative, one-life lifestyle instead of a work-life balance, which is the core challenge that people try to balance. It is similar to a ‘hamster wheel’. I was working on an impactful project dealing with environment. We’ve just started in the electric car industry, which was so exciting for me that I even bought a fully electric car.

We are looking for innovative initiatives that change or transform. I am convinced our generation has the chance to change some things for the good and for the future in living together, working together and reshaping the economy. Some mindsets are more than outdated. It’s time to reframe or like Laurie Anderson said: “Capitalism is a disaster for human relations.” Let’s see.

therelevant_3_inarticle

Who is the most memorable person you’ve met through your company?

I didn’t have the chance to meet him because he died unexpectedly this year: Prof. Dr. Peter Kruse was an honorary professor of organizational psychology at the University of Bremen whom developed the right words to describe what happens in our networked, connected world.

What’s the strangest thing that’s ever happened in your line of work?

Ignorance for what is currently happening and no empathy at all for our surroundings.

What accomplishment are you most proud of?

Being digital. Being entrepreneur. Human Being.

Where do you see the company in five years?

We are a happy team of eleven – rELEVENt – working to satisfy clients daily implementing a humanized approach in communication, corporate relationships and organization. We drive revenue to invest in innovation, have good salaries and stay hungry. We started the global initiative with other teams of eleven in other countries to spread a #humanized approach.

More Stories

The UN Sustainable Development Goal number 7 aims to provide clean, affordable and reliable energy for all, to further inclusion, opportunity and empowerment. Almost 200...