The city of Singapore hosts one of the most important global Fintech events, while giving full support to its startups and community of entrepreneurs.


Funding, academic collaboration and public-private partnership. A fine recipe to develop a healthy and successful Fintech ecosystem. More the result of a strategy than coincidence, in the last few years, Singapore has seen its Fintech startup scene boom. The city has indeed done a lot to attract funders, notably via creating related events and supporting regional networking.

Part of this strategy rests on barring privileged silos. Rather than building on competition between large companies and small players, the government has decided to create the conditions for both to innovate and collaborate with each other. In fact, banks and insurance companies are setting up innovation labs and research centers in Singapore for startups to experiment and bring ideas to the market, while getting professional assessment and management consultancy.

According to the Singapore Fintech Map, the city hosts more than 200 Fintech companies, focused on diverse segments including digital banking, blockchain, data management and payment services. The good numbers are also due to the effort universities and research institutes are making to update their curricula by adding more Fintech topics. Startups and young entrepreneurs also can benefit from an annual Fintech Festival, organized by the Monetary Authority of Singapore (MAS) and the Association of Banks since 2016, and recognized in 2017 as the worlds’ largest Fintech Festival, hosting more than 25,000 participants from 100 countries.

As Mr. Sopnendu Mohanty, Chief Fintech Officer of MAS, said at the Festival’s opening ceremony last November: “The Fintech Festival is a synergistic platform for the global Fintech community to spark new ideas and gain valuable insights. It is a key thrust of our efforts to establish Singapore as a Smart Financial Centre and a transformational Fintech hub”. While organizing a Fintech Award and a Hackcelerator, the Festival is also a great platform for Fintech companies to attract investors and raise funding for their projects.

Singapore is also known for its Venture Capital (VC) scene, which helps Fintech startups to get funding and managerial support for their projects. While they grow, they can count on public infrastructure such as the LATTICE80, an innovation village in the heart of Singapore financial district which reduces costs for startups and gives them access to data centers and other services.

The host city of SIGEF2018 next September is thus the perfect place to gather innovators, entrepreneurs and social good doers from all over the world. Organized by Horyou, it will include a special panel on Fintech for social good.

Social Entrepreneurship Is Taking Over the Startup Ecosystem

Versión en Español a continuación

Family photo of Google Actívate Barcelona

I got to the University of Barcelona on Monday morning for the first day of my entrepreneurship training. I was already familiar with the model – a few months ago, I travelled to Bilbao to attend a digital marketing course, hosted by the local university and organized by Google Actívate, a training division of the technology giant in Spain which offers free courses to people interested in the startup and digital worlds. I was curious, though, about this one. How to train an entrepreneur in three days?

The 300 people in the auditorium were advised: don’t give up, you won’t regret it! Becoming an entrepreneur is tough, the Google ambassador says, but you have to deal with the turnarounds of the business world. OK, I got the message.

I was part of Group 22 (out of 29) of participants that mostly came from other countries, except for two Spanish girls (one of whom left for lunch and never came back). A mixed and international group with very different backgrounds, including a nurse, a musician, a designer, a DJ, a salesman, a student, a hospitality executive and me.

On the first assignment, we were all invited to tell the rest of us about our passions, what we think the world needs, and what are the trends for the future. And, over and above all this, decide which challenge we want to address over our 3 working days.

Then a surprise came.

Out of all 29 groups, only one decided not to take the social entrepreneurship path. As for the rest of our “colleagues” on that very first morning, they were all convinced that the issues the world faces and the trends for the future are all related to our passions, namely: healthy food, better relationships, smart cities, safe environment, gender equality. Which convinced me that there is a new generation of entrepreneurs, more interested in making the world a better place than on making blind profits.

The next two days took the path every training takes: lots of theory, some practical tasks, presentations, discussions. People trying to work together, pitching, business canvasing, and having beers after all this. Group work and personal growth. Motivational business cases, personal advices. I had to learn to change opinions many times, overcome my rusty Spanish and try to sell our idea to people in the streets. I heard I say ‘no’ too many times and this is not good for me, neither is it for the group. I had meaningful conversations with amazing people during lunch.

On the last day, everybody was excited to pitch their ideas to the other groups. ‘Google may buy it’, some hoped. ‘We’re taking this further’, many others planned. Most of them were deeply in love with their projects, passionate about the positive difference they can bring to their communities or to the planet. I for one, have to confess I was completely excited with ours – an app that can choose the fastest, cheapest or cleanest means of transportation for a given destination, according to your priorities. We might decide to take that one further.

I left an hour before the end of the training (yes, I broke the deal), feeling hopeful about us as a society. I felt that social entrepreneurship is taking over the startup world, which is the seed for a better business world. Young and old, Europeans and Latin Americans, executives and musicians, we’re all working for the social good. There’s hope.

Written by Vívian Soares


El Emprendimiento Social se está apoderando del ecosistema de las startups

En un Lunes frío, llegué a la Universidad de Barcelona para el primer día de mi formación de emprendimiento. Ya estaba familiarizada con el modelo: hace unos meses, viajé a Bilbao para asistir a un curso de marketing digital, organizado por la universidad local con Google Actívate, una división de capacitación del gigante tecnológico en España que ofrece cursos gratuitos a personas interesadas en los mundos digital y de las startups. Tenía curiosidad, sin embargo, sobre este. ¿Cómo entrenar a un emprendedor en tres días?

Se aconsejó a las 300 personas en el auditorio: ¡no desistas, no te arrepentirás! Convertirse en empresario es difícil, dice el embajador de Google, pero debe hacer frente a los cambios en el mundo de los negocios. Vale, recibí el mensaje.

Fui parte del Grupo 22 (de 29) de participantes que en su mayoría provenían de otros países, a excepción de dos españolas (una de las cuales se fue a almorzar y nunca regresó). Un grupo mixto e internacional con orígenes muy diferentes, que incluyen una enfermera, un músico, un diseñador, un DJ, un vendedor, un estudiante, una ejecutiva de hospitalidad y yo.

En la primera tarea, todos fuimos invitados a compartir nuestras pasiones, lo que creemos que el mundo necesita y cuáles son las tendencias para el futuro. Y, por encima de todo esto, teníamos que decidir qué desafío queremos abordar durante nuestros 3 días de trabajo.

Entonces, una sorpresa.

De los 29 grupos, solo uno decidió no tomar el camino del emprendimiento social. En cuanto al resto de nuestros “colegas” en la primera mañana, todos estaban convencidos de que los problemas que enfrenta el mundo y las tendencias para el futuro están relacionados con nuestras pasiones, a saber: alimentos saludables, mejores relaciones, ciudades inteligentes, medio ambiente, igualdad de género. Lo cual me convenció de que hay una nueva generación de empresarios, más interesados ​​en hacer del mundo un lugar mejor que en obtener beneficios a ciegas.

Los siguientes dos días tomaron el camino que toma cada capacitación: mucha teoría, algunas tareas prácticas, presentaciones, discusiones. Trabajamos juntos, lanzamos ideas, hicimos negocios y tomamos cervezas después de todo esto. Mucho trabajo en grupo y crecimiento personal. Escuchamos casos comerciales motivacionales y consejos personales. Tuve que aprender a cambiar de opinión muchas veces, superar mi verguenza de hablar un mal español e intentar vender nuestra idea a la gente en las calles. Escuché que digo ‘no’ muchas veces y esto no es bueno para mí, tampoco lo es para el grupo. Tuve conversaciones significativas con personas increíbles.

El último día, todos estaban emocionados de presentar sus ideas a los otros grupos. “Ojalá Google lo compre”, algunos esperaban. “Vamos llevar esto más allá”, muchos otros planearon. La mayoría de ellos estaban profundamente enamorados de sus proyectos, apasionados por la diferencia positiva que pueden aportar a sus comunidades o al planeta. Por mi parte, tengo que confesar que estaba emocionada con la nuestra, una aplicación que puede elegir el medio de transporte más rápido, más barato o más limpio para un destino determinado, de acuerdo con sus prioridades.

Me fui una hora antes del final de la capacitación (sí, rompí el trato), sintiéndome optimista sobre nosotros como sociedad. Sentí que el emprendimiento social se está apoderando del mundo de las startups, que es la semilla de un mundo empresarial mejor. Jóvenes y viejos, europeos y latinoamericanos, ejecutivas y músicos, todos trabajamos por el bien social. Hay esperanza.

Contar histórias emocionantes para promover mudanças positivas na sociedade. Esse é o propósito do publicitário Marco Iarussi, que promove campanhas digitais na internet com o objetivo de arrecadar fundos para projetos de cunho social e humanitário. Fundador do projeto “Curta a Ideia – Vídeos que Mobilizam”, Marco é um membro ativo da nossa plataforma e um dos concorrentes ao SIGEF Project Awards. Ele falou com o nosso blog sobre suas conquistas, planos para o futuro e sobre a proposta de fazer “marketing pelo bem”.

Curta a Ideia apresentando o seu projeto no SIGEF
Curta a Ideia apresentando o seu projeto no SIGEF

1. Qual é a história do Curta a Ideia?

Sou publicitário e conheci a jornalista Tati Vadiletti quando trabalhávamos em um programa de televisão, na cidade de São Paulo. Apesar de sermos apaixonados pela comunicação e o audiovisual, sentíamos que aquele trabalho não despertava uma transformação na vida das pessoas. Nós acreditamos que a comunicação é uma ferramenta poderosa para transformar realidades, por isso fomos em busca do nosso sonho: contar histórias através de vídeos que mobilizam.

Foi por isso que em 2011 surgiu o ‘Curta a Ideia’ com a proposta de ser um canal de vídeos na internet que promove iniciativas e profissionais que oferecem o seu talento para transformar realidades. Nossa intenção sempre foi registrar histórias de pessoas que conectadas com seu coração, que serviam ao próximo ou defendiam uma causa. Por conta disso, o trabalho teve uma grande aceitação com organizações do terceiro setor; foi então que encontramos o nosso propósito: colocar nossa expertise com comunicação e audiovisual a serviço de grande causas, impulsionando iniciativas na internet com um video envolvente, que convida a uma transformação. É isso que sempre fizemos: vídeos que mobilizam! Nosso slogan é o que melhor nos define: “luz, câmera e coração”!

2. Um trabalho paralelo que você desenvolve são as campanhas de marketing digital para pessoas carentes. O que motivou a criação desse projeto?

Nosso propósito sempre foi usar a comunicação para promover o bem e nós acreditamos no poder da internet para gerar bondade. Embora o propósito das redes sociais seja conectar pessoas, o ambiente tecnológico muitas vezes distancia o homem das relações humanas. Nossa intenção com as campanhas sociais é criar a oportunidade para quebrar esse gelo, gerar conexões, oferecer ao usuário das redes a chance de praticar a empatia e, quem sabe, transformar uma vida.

3. Uma das campanhas mais bem-sucedidas que você desenvolveu foi para uma paciente que necessitava de células-tronco. Como você conheceu a história da Gigi e o que te mobilizou a trabalhar nessa campanha voluntariamente?

A campanha da Gigi foi extraordinária. Um caso que veio para comprovar a nossa missão de vida. Conhecemos a Gigi no Centro Espiritual do João De Deus, um médium brasileiro conhecido internacionalmente. Ela estava lá em busca da cura e o caso dela nos chamou muita atenção, por isso sabíamos que as pessoas na internet poderiam se engajar naquela causa. O curioso é que ela estava há muito tempo pedindo ajuda de porta em porta e sua presença na internet era quase inexistente, por isso havia muita dificuldade na arrecadação e o valor de 30 mil dólares era um objetivo quase impossível, mas por obra do acaso, ela encontrou justamente um casal que trabalha com marketing digital para causas sociais. Foi então que começou uma linda história de amor, boas ações e generosidade. Em poucos dias a campanha rodou o mundo e a Gigi recebeu doações do Japão, Finlândia, Austrália, Suiça, entre outros países. Em vinte dias, a campanha teve que ser finalizada, pois já tinha atingido múltiplas vezes o valor necessário, o que possibilitou o pagamento do mesmo tratamento para outras duas pessoas. Essa ação se tornou a maior campanha solidária do Brasil em 2016. Foi muito emocionante receber mensagens de pessoas nos agradecendo por ter dado a elas oportunidade de ajudar o próximo.

Marco Iarussi em uma das gravações para o Curta a Ideia
Marco Iarussi em uma das gravações para o Curta a Ideia

4. Conte quais foram os principais destaques do ano de 2016 e seus planos para 2017.

Além da campanha da Gigi, promovemos também outras três ações, sendo que a do Lucas José pode ser considerada a segunda maior campanha solidária do ano. Atualmente estamos com a campanha ‘Ame a Fernanda’, uma brasileira de 34 anos que foi aceita em pesquisas para a cura da AME – Atrofia Muscular Espinhal nos Estados Unidos. Ela tem grandes chances de sair da cadeira de rodas e voltar a andar, embora o tratamento seja gratuito ela precisa de fundos para custear sua permanência por um ano e meio no país. Estamos empenhados em conseguir mobilizar pessoas que apoiem essa causa, mas é uma corrida contra o tempo, pois ela tem somente até o mês de janeiro para entrar no programa de pesquisas. Para 2017 queremos ampliar a nossa atuação com o marketing pelo bem. Sabemos que muitas pessoas precisam de uma chance para transformar sua vida e que, por outro lado, muitas outras podem praticar a generosidade e olhar para o próximo.

5. Quais são os seus principais desafios e o que te motiva a superá-los?

Nosso maior desafio é nos tornarmos um canal de confiança, onde as pessoas possam realizar doações na certeza de que farão para uma iniciativa transparente, ética e comprometida. Infelizmente, existe uma certa desconfiança com projetos sociais na internet, mas nosso compromisso é com a prestação de contas e transparência das ações, pois devemos estimular a cultura da bondade e da colaboração no ambiente online. Quando as pessoas descobrirem o poder das redes sociais para promover boas ações, elas conseguirão mudar o mundo.

6. Você é um membro ativo de nossa comunidade e, este ano, participou com o seu projeto no SIGEF. Como avalia essa experiência?

Apresentar o nosso projeto no SIGEF2016 foi uma oportunidade de compartilhar com iniciativas globais o nosso propósito de promover o bem na internet. No evento, pessoas do mundo inteiro puderam trocar experiências, aumentar o seu repertório e certamente voltaram com muito mais vontade de fazer acontecer suas melhores intenções. Foi assim com a gente!

7. Qual mensagem você deixaria para a nossa comunidade Horyou?

Dizem que os bons são a maioria e que os querem mudar os mundo são muitos, mas eles estão espalhados por aí… Eu digo que a Horyou é o canal onde essas pessoas se encontram. Sempre que estou na plataforma, me encho de esperança vendo tantas iniciativas incríveis. O que tenho a dizer aos membros da comunidade é que o amor nos conecta e que eu acredito que conseguiremos mudar esse planeta, através deste amor.

Entrevista: Vívian Soares

More Stories

Inspired by the ‘invisible beings’ of one of the biggest cities in the world, the photographer Edu Leporo started to depict homeless people and...